Pesquisar este blog

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Éden

Não vou mais chorar o povo estando cego,
Nem vou mais gritar o povo estando surdo,
Nesse grande éden sem maçã;
A voz mais baixa é da multidão,
Que é como um disparo de canhão com silenciador,
E um projétil de algodão que não causa dor.

Não sei se é a lei ou o interprete que a vela,
Nos telhados da favela,
A menina mais bela encontra uma bala perdida.
Bandida, bandida bala achada não mais perdida.
Que ao encontrar a vida salga o rosto de uma mãe.

O pára-brisa está sujo, moleque limpa,
Já está limpo o outro limpa,
Já está limpo um outro limpa.
O sinal está fechado e o transito parado,
O moleque da favela não quer mais jogar bola,
Já não anda mais em pé, de joelhos ou deitado.
E a sociedade pede esmola.

Um comentário:

  1. esse é o cenário da cidade grande. captou bem.

    bonitos versos.

    ResponderExcluir